Luiz Netto

Fotografia & Meio Ambiente

Meio Ambiente

Meio Ambiente

Flona Palmares agoniza

Foi com muito pesar no coração que recebi a notícia esta semana a respeito da situação que minha querida Floresta Nacional de Palmares e as sérias dificuldades que vem enfrentando. O parceiro Lucas Gaspar, que tão bem nos recebeu na Flona durante nossa passagem pelo projeto Expedição Piauí, postou recentemente e fez o alerta a toda mídia piauiense.

Lucas é filho de Seu Gaspar, o “guardião” da Flona e que inclusive mora em sua sede. A situação da segurança no local chegou a uma condição alarmante depois que, por contenção de custos, o ICMBio cortou a vigilância armada da sede e a proximidade com uma penitenciária agrícola local faz da unidade de conservação um alvo fácil para os presos em regime semi-aberto que estão assaltando pesquisadores, professores e alunos que visitam a floresta, além de arrombar recorrentemente todas as casas da sede.

Abaixo o alerta de Lucas publicado em sua página no facebook. Fica aqui nosso apelo para que o ICMBio, Governo Federal, Governo Estadual e a Polícia Militar do Piauí cheguem a uma solução eficiente e definitiva por esta que é a mais importante floresta urbana do Piauí.

Captura de Tela 2018-05-23 às 21.49.01

Indicações / Meio Ambiente

Trilogiabio

Um assunto neglicenciado com certa frequência é as interações cada vez mais frequentes de animais silvestres no meio urbano. A constante degradação dos remanescentes verdes vem pressionando a encontros mais rotineiros.

Em Recife, especificamente, a cidade já conta com o trabalho do Trilogiabio, comandado pelo colega biólogo André Maia que vem realizando um baita trabalho em parceria com o CETAS da CPRH (a agência ambiental de Pernambuco).

Os contatos do Trilogiabio estão na figura do post, já foram inúmeros mamíferos, répteis e aves resgatados pela equipe do projeto que conta com uma página no instagram (@trilogiabio) bem movimentada. Sigam lá! 

Meio Ambiente

Distinguindo corais verdadeiras de falsas

A sabedoria popular no passado e a internet nos dias atuais trazem uma série de procedimentos, muitos bem duvidosos, para distinguir a cobra-coral-verdadeira das chamadas falsas corais. 

Eu particularmente, desde cedo, me foi ensinado a tomar cuidado com a sequência das cores, quando os anéis vermelho e preto forem sequenciais, pronto, seria obrigatoriamente uma falsa. Da mesma forma quando os anéis não fossem inteiriços, contornando todo o corpo do ofídio, novamente estaríamos nos deparando com uma coral-falsa.

Na foto abaixo, uma coral-falsa (Oxyrhopus trigeminus) que registrei no Parque Estadual das Carnaúbas (Ceará). Espécie atende os antigos mitos dos anéis vermelho e preto em seqüência, bem como os anéis incompletos (“barriga” do animal é totalmente branca), mas nem todas as falsas-corais seguem este padrão.

15775017_10208372867621602_2031589174783396146_o

Dada a grande gama de espécies de corais no Brasil, mais de 30 de verdadeiras e mais de 50 de falsas, essas regras podem até funcionar em muitas ocasiões, mas estão bem longe da total eficácia no diagnóstico. Identifica-las com 100% de certeza é bem complexo sem recursos laboratoriais e especializado.

No vasto mundo da internet há várias informações desencontradas que quando colocadas à prova, podem ter consequências catastróficas. Desta feita, selecionei abaixo um artigo que achei o mais completo sobre o tema, publicado no site cobrasvenenosas.com.

Para acessa-lo, clicar AQUI.

Meio Ambiente

Câmeras na RPPN Serra das Almas

Já perdi as contas de quantas unidades de conservação de caatinga já visitei. Todos os parques nacionais, as principais reservas biológicas, entre outros, incluindo-se algumas belas Reservas Particulares, as famosas RPPN’s.

Uma delas, a Serra das Almas, mantida pela Associação Caatinga, sempre figurou entre minhas favoritas. Estive por lá pela primeira vez há uns 4 ou 5 anos. Já naquela época eles mantinham um ótimo trabalho de levantamento de fauna, já com muitas cameras traps espalhadas pela reserva, que abrange terras do Piauí e do Ceará.

O trabalho é bem feito, inclusive com uma série de ações nas comunidades vizinhas e uma boa estrutura pra receber os visitantes. No próprio alojamento. Quem nunca foi, é um ótimo lugar pra ser desfrutado (necessário agendar a visita). A seguir um video das câmeras escondidas da reserva que mostram toda sua biodiversidade.

Meio Ambiente / Trabalhos

Prêmio no centenário de Dois Irmãos

Infelizmente, doente, não foi possível estar presente fisicamente, mas hoje recebi esta mais que honrosa menção ao nosso trabalho na festa de centenário do Parque Estadual Dois Irmãos, sendo lembrando junto a grandes nomes da luta ambiental pernambucana, como o ecólogo Vasconcelos Sobrinho, meu amigo Silvino Pinto e tantos outros. 

Ser um dos pernambucanos lembrados ao longo de um século de existência desta que é uma das mais relevantes unidades de conservação do país, minha segunda casa e dos lugares que mais fotografia na vida, só nos motiva ainda mais em seguir na luta em defesa dos biomas pernambucanos.

Salve Dois Irmãos!

 

Meio Ambiente

Agricultura familiar e o Prêmio do Haddad

70891810-e9da-40a6-9b20-2185469a0b7f

No cenário cada vez mais quixotesco e terminal da política brasileira, tomar uma posição política em favor de um político A, B ou C tornou-se uma ação de alta periculosidade, sob pena de você ser taxado dos mais diversos adjetivos, quase nunca agradáveis, por parte da militância do espectro oposto da política.

Por mais que sempre política e políticos não sejam o foco do que se debate e se conversa neste blog, quando o assunto é meio ambiente, a depender da relevância do tema, vez ou outra é hora e vez de conversar um pouco sobre o ocorrido por aqui.

Nunca escondi minha admiração pelo, ainda, prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, especialmente por suas políticas ambientais numa cidade das dimensões e impactos como a capital paulista. Sim, falar de meio ambiente é essencial nas grandes metrópoles e esse debate é sempre negligenciado pelos principais candidatos da vez, nos mais diversos municípios. Aqui em Recife, no último pleito, mesmo tendo candidato do “Partido Verde”, outros que usam historicamente o verde em sua logomarca, e outros apoiados pela “Rede Sustentabilidade”, o debate da temática ambiental foi zero. Uma lástima.

Haddad não só fez questão de corriqueiramente puxar o tema em sua campanha última, como foi à prática com diversas iniciativas que conectam uma cidade da proporção da casa dos paulistanos a um mundo de baixo impacto e sustentável.

Há cerca de uma semana o prefeito levou pra casa um dos prêmios sobre políticas de sustentabilidades mais importantes do mundo, talvez o mais importante. Fundado pelo famoso ex-prefeito de Nova York, Mike Bloomberg, o Prêmio Mayors Challenge, da Bloomberg Philanthropies, premia iniciativas de todo o mundo anualmente, recebendo várias centenas de inscrições (só este ano foram 290 cidades inscritas).

O prefeito poderia ter inscrito qualquer uma das diversas boas iniciativas que implementou, mas inteligentemente levou uma das mais relevantes de seu mandato e que tem impacto rápido e direto na população, especialmente os mais pobres, o Programa Ligue os Pontos, plataforma digital que gerou como nunca dantes valor para agricultura familiar da periferia de grandes áreas urbanas, tantas vezes marginalizada pelas políticas públicas. Pelo prêmio, a prefeitura levou 5 milhões de dólares pra casa.

O título do post, “prêmio do Haddad”, não é por acaso, claro que o prefeito não agiu sozinho, mas além de um grande amigo que trabalha no referido mandato me confirmar o empenho pessoal do prefeito no sucesso da iniciativa, é importantíssimo associar o nome ao executivo imediato, especialmente numa época tão carente de líderes verdadeiramente preocupados com a sustentabilidade e a construção de um amanhã menos destrutivo, importante lembrar pra eleições futuras, importante pra cobrar de seus sucessores a continuidade de tais iniciativas.

A agricultura familiar é o que há de menos nocivo ao meio ambiente dentre todas as formas de produção agrícola, sempre marginalizada a segundo, terceiro, último plano, especialmente nas selvas de pedra, viu logo em São Paulo florescer uma das melhores iniciativas dos últimos anos.

Abre aspas pro prefeito: “São Paulo é uma cidade de diversas faces, visíveis na pujança de sua indústria, no seu comércio e na sua cultura. Para mim é um orgulho muito grande falar desta face pouca conhecida: a de 40 mil pessoas, que vivem na Zona Rural de São Paulo e que ainda esperam o reconhecimento do território rural como parte integrante da cidade”, afirmou.

Na sua gestão, o Ligue os Pontos veio acompanhado de diversas outras iniciativas que deveriam ser regra (pra não dizer obrigatórias em todas as cidades), como a inclusão de alimentos orgânicos de origem agroecológica na alimentação escolar, grande parte destes oriundos da agricultura familiar (cerca de 22%, segundo dados da prefeitura). Antes do prefeito assumir, este número era de míseros 1%. Desde 2006 há uma meta de 30% estabelecida pelo Governo Federal e, quem diria, São Paulo é hoje uma das cidades mais próximas de alcançar tal objetivo.

Outras iniciativas igualmente relevantes que aumentam a robustez do Ligue os Pontos foram o fornecimento de maquinário comunitário, distribuição de fertilizantes, apoio à compostagem e a produção de feiras de agricultura familiar. Fomento completo em toda cadeia.

O governo Haddad entra no seu último mês, mas fica a esperança no surgimento de uma nova safra de políticos que tragam verdadeiramente a renovação pra cambaleante política brasileira.

A nós, contribuintes, resta acompanhar e cobrar pra que iniciativas como estas se multipliquem. Falar de agricultura familiar é falar de meio ambiente, é conectar as cidades a uma realidade mais humana, é conectar verdadeiramente os organismos vivos que são as cidades ao pouco que resta de sua terra original. 

Pra quem quiser conhecer melhor o Mayors Challenge, basta acessar a página do prêmio: http://mayorschallenge.bloomberg.org

A seguir, vídeo da premiação.

Meio Ambiente

“É só 50”

15095491_10154044537752543_6512644218502826536_n

A vida anda valendo muito pouco nesse Brasil caboclo de Mãe-preta e Pai João. Em plena conferência da ONU, o ministro da Agricultura Blairo Maggi saiu-se com a seguinte pérola: “É só 50 (sic)”.

O ministro, um dos expoentes da controversa Confederação Nacional da Agricultura, responsável por tantos desmatamentos, referia-se, pasmem, ao número de ambientalistas mortos no país. 

“É só 50”, número que colocou o país no topo do ranking mundial de ambientalistas mortos no ano ao longo da guerra verde silenciosa que pouco eco possui nos grandes veículos de comunicação. Pra ilustre autoridade, obviamente, 50 vidas valem muito pouco. Só a título de curiosidade, no mundo inteiro 200 ambientalistas foram mortos no último ano, sendo o Brasil responsável por 25% desta matemática infame.

A verdade é que essa cultura de ódio em evidência no país só vem contribuindo pra já gigante banalização da violência tupiniquim, as muitas facetas do “é só 50”, onde “bandido bom é bandido morto”, onde a perversidade reside em inúmeras pessoas comemorando o espetáculo dantesco que foi a remoção do ex-governador Anthony Garotinho do hospital em que se encontrava, só pra ficar no exemplo mais recente. São as pessoas se rebaixando ao nível dos criminosos que condenam, ao dedicá-los o mesmo mal outrora cometido pelos mesmos.

O discurso de Blairo é um retrato de muita coisa, deveria ser exceção, mas é regra, deveria ser um ato falho, mas é, de fato, a régua que mede o valor da vida por esses senhores, afinal, o que são “apenas” 50 vidas? Ainda mais de míseros “ambientalistas”.

E enquanto esses tempos difíceis e perversos teimam em não passar, gostaria apenas de desejar muita força às famílias destes “apenas” 50 ambientalistas que nos deixaram e que pra cada flor morta na mata, outras tantas encham este mundo das mais diversas cores.

Indicações / Meio Ambiente

Minute Earth

Hoje seguia aprofundando as pesquisas pra nova etapa de São Francisco Submerso (nosso projeto de fotografias nas ruínas das cidades que foram alagadas pelas hidroelétricas), quando o Gabriel, um colega biólogo (dos bons) do Ceará, me indicou o videozinho abaixo, do canal Minute Earth, mostrando como são formadas geologicamente as curvas dos rios.

Achei super didático, além de ter me ensinado muita coisa que não sabia. Obviamente depois fui me deliciar com os demais vídeos do canal (já com as legendas em português). Indico demais a quem quiser se aprofundar em várias temáticas ambientais. São vários spots bem diretos e de poucos minutos, com grande qualidade na montagem, na forma e no conteúdo.

Pra ir à página do canal, basta clicar AQUI.